quinta-feira, 8 de março de 2007

Temos mesmo o que comemorar?

Há alguns dias li uma matéria que falava sobre a "evolução" das mulheres ao longo dos anos.
Coloco "evolução" entre aspas porque, sinceramente, não sei se evoluímos de fato.

As feministas rasgaram os sutiãs e brigaram para ter os mesmos direitos dos homens. Ok, conquistamos nosso espaço, melhoramos alguns aspectos da vida cotidiana, mas para quê? Para virar uma tchutchuca? Para ser objeto sexual? Para ser valorizada pelo peito siliconado e não pelo caráter?

O que conseguimos realmente nesses últimos anos? Acumular funções. Hoje em dia, além de cuidar da casa, dos filhos, do marido, ainda trabalhamos fora. E, apesar de nos destacarmos mais do que eles, ganhamos menos.
Cada vez mais sofremos com a pressão da mídia para estar sempre em forma, com o cabelo liso, a roupa da moda. Além disso temos que ter as pernas, a virilha e o buço depilados. Sempre.
Mas, se saímos com mais de um cara na mesma semana, ainda somos taxadas de p...

Eu não quero ser tchutchuca, não quero colocar silicone no peito e nem ser valorizada pela bunda sem celulite. Quero, sim, conquistar meu espaço; ter o salário equiparado ao dos homens; posso até rachar a conta no motel, mas quero ter a porta do carro aberta por ele.

Na verdade eu quero ter meus direitos equiparados aos dos homens, mas sem perder as regalias do sexo frágil. Afinal de contas, ainda sou mulher.

2 comentários:

passageiro disse...

existem coisas que sao basicas...
abrir a porta seja de casa seja do carro, perceber o corte de cabelo diferente, reparar em um perfume mais insinuante.
Algumas coisas os homens sabem q tem q fazer, mas se recusam por orgulho machista, ou se o fazem eh com intenção sexual.
Mulher nao tem q queimar sutiã se vai por silicone depois.
Na verdade este "dia da mulher" eh uma hipocrisia, pois neste dia devemos respeita-las, para qndo este dia passar, darmos uma olhada na bunda delas...
"Dia da Mulher"????
faça-me o favor

Rê Ruffato disse...

Ah, motel nao, motel tem que pagar. Sei lá porque! rs... mas brincadeiras à parte, acho que os papéis estão errados, todos nós, homens e mulheres, perdemos a mão, erramos a dose. Nos desencontramos seriamente.
Algo precisa ser feito. Tb nao sei o que, rs.