sexta-feira, 29 de junho de 2007

7 maravilhas da blogosfera

Esta foi uma brincadeira sugerida pelo genial James!! Quem quiser, está convidado a entrar na roda. As regras seguem abaixo.

BRINCANDO É QUE SE BRINCA

Graças ao carinho da Eu... de O Meu Mundo o Reflexões recebeu esta comenda.
Agora é tentar continuar a brincadeira pedindo perdão a todos os que ficaram fora da lista.
Eis o regulamento:Regulamento:
1. Podem participar na votação todos os bloggers que mantenham blogues activos há mais de um mês [os outros esperem por outra ideia brilhante que alguém irá ter].
2. Cada blogger deverá referenciar sete nomes de blogs. A cada menção corresponde um 1 voto.
3. Cada blogger só poderá votar uma vez, e deverá publicar as suas menções no seu blog [da forma que melhor lhe aprouver], enviando-as posteriormente para o seguinte e-mail:
7.maravilhas.blogoesfera@gmail.com.
No e-mail, para além da escolha, deverão indicar o link para o post onde efectuaram as nomeações.A data limite para a publicação e envio das votações é dia: 01/07/2007.

4. De forma a reduzir alguns constrangimentos [e desplantes], e evitar algumas cortesias desnecessárias, também são considerados votos nulos:- Os votos dos blogger(s) em si próprio(s) ou no(s) blogue(s) em que participa(m);No dia 7.7.2007 serão anunciados os vencedores e disponibilizadas todas as votações.

MINHAS INDICAÇÕES SÃO:

Reflexões
Passageiro Digital
A luta do acaso contra o próprio destino
Boa Prosa
Endorfina
Acervo do Igor
Querido Leitor

sábado, 16 de junho de 2007

Mude - por Edson Marques

"Mude, mas comece devagar porque a direção é mais importante que a velocidade.
Sente-se em outra cadeira, no outro lado da mesa. Mais tarde, mude de mesa.
Quando sair, procure andar pelo outro lado da rua. Depois, mude de caminho, ande por outras ruas, calmamente, observando com atenção os lugares por onde você passa.
Tome outros ônibus. Mude por uns tempos o estilo das roupas. Dê os seus sapatos velhos.
Procure andar descalço alguns dias.
Tire uma tarde inteira para passear livremente na praia, ou no parque, e ouvir o canto dos passarinhos.
Veja o mundo de outras perspectivas. Abra e feche as gavetas e portas com a mão esquerda.
Durma no outro lado da cama... depois, procure dormir em outras camas.
Assista a outros programas de TV, compre outros jornais... leia outros livros, viva outros romances. Não faça do hábito um estilo de vida. Ame a novidade. Durma mais tarde. Durma mais cedo.
Aprenda uma palavra nova por dia numa outra língua. Corrija a postura. Coma um pouco menos, escolha comidas diferentes, novos temperos, novas cores, novas delícias.
Tente o novo todo dia.
O novo lado, o novo método, o novo sabor, o novo jeito, o novo prazer, o novo amor, a nova vida.
Tente.
Busque novos amigos. Tente novos amores. Faça novas relações. Almoce em outros locais, vá a outros restaurantes, tome outro tipo de bebida, compre pão em outra padaria. Almoce mais cedo, jante mais tarde ou vice-versa.
Escolha outro mercado... outra marca de sabonete, outro creme dental... tome banho em novos horários.Use canetas de outras cores. Vá passear em outros lugares. Ame muito, cada vez mais, de modos diferentes. Troque de bolsa, de carteira, de malas, troque de carro, compre novos óculos, escreva outras poesias.
Jogue os velhos relógios, quebre delicadamente esses horrorosos despertadores.
Abra conta em outro banco. Vá a outros cinemas, outros cabeleireiros, outros teatros, visite novos museus.
Mude.
Lembre-se de que a Vida é uma só.
E pense seriamente em arrumar um outro emprego, uma nova ocupação, um trabalho mais light, mais prazeroso, mais digno, mais humano.
Se você não encontrar razões para ser livre, invente-as.
Seja criativo.
E aproveite para fazer uma viagem despretensiosa, longa, se possível sem destino.
Experimente coisas novas. Troque novamente.
Mude, de novo.
Experimente outra vez.
Você certamente conhecerá coisas melhores e coisas piores do que as já conhecidas, mas não é isso o que importa. O mais importante é a mudança, o movimento, o dinamismo, a energia.
Só o que está morto não muda!
Repito por pura alegria de viver: a salvação é pelo risco, sem o qual a vida não vale a pena!!!!"

sexta-feira, 15 de junho de 2007

Ilha de Skiathos - Grécia




Sim, eu tenho um amigo grego que mora nessa ilha aí. Ele e mais 4.999 habitantes. No condomínio onde eu moro deve ter mais gente do que nessa ilha!
Surreal.

Hoje tem marmelada


Não conheço essas pessoas. rs


Eu, Ci e Melissa, a criança mais figura que eu já conheci (14/06/07)


quinta-feira, 14 de junho de 2007

Na verdade, o gerúndio já era

A moda está presente em todas as situações da vida. Inclusive na linguagem. Vira e mexe aparecem um modismos lingüísticos, como aconteceu com o uso excessivo e desregrado do gerúndio.

Mas faz algum tempo que um vício de linguagem tem me incomodado mais que o "ando", "endo", "indo": é a expressão "na verdade". Repare como os neo intelectuais ligam uma frase à outra dizendo "na verdade, blá blá blá". Putz! Isso é muito chato. Será que a frase anterior era mentira e bateu um arrependimento instantâneo que o impulsionou a corrigir a informação?

Outro dia, num programa de rádio, ouvi uma entrevista com um jornalista/escritor/ator/comediante. A cada dez frases proferidas, oito começavam com "na verdade... "
O cara pareceu ser um bom profissional, inteligente, engraçado. Mas, na verdade, de toda a entrevista eu só assimilei a expressão "na verdade..."

Dica de teatro

Grupo Sombrero de Teatro
apresenta
Lamento por Ignacio Sánchez Mejías

O espetáculo é baseado na obra homônima do poeta espanhol García Lorca e fala sobre o mundo das reflexões e dos sentimentos


Escrita e encenada por Zaqueu Machado, a peça teatral Lamento por Ignacio Sánchez Mejías é atração no Teatro Studio 184, todas as quintas-feiras às 21h.
A dramaturgia deste espetáculo é fundamentada, sobretudo, nos quatro poemas de Lorca que integram a peça: “A investida e a morte”, “O sangue derramado”, Corpo presente” e “Alma ausente”.

Sinopse
Este espetáculo é baseado na obra poética homônima do espanhol Federico García Lorca, publicada em 1935, um ano antes do fuzilamento do bardo andaluz de Fuente Vaqueros, na madrugada do dia 19 de agosto de 1936, em Víznar, no alvorecer da Guerra Civil Espanhola. Ao saber do falecimento de seu amigo, o famoso toureiro andaluz Ignacio Sánchez Mejías, ferido gravemente na virilha, durante uma corrida de touros, García Lorca faz uma dolorosa reflexão acerca da efemeridade da existência humana e do perene conflito entre o “mortal” e o “eterno”, potências telúricas que se enfrentam, na cultura andaluza, segundo o universo da tauromaquia, por meio do enfrentamento mítico do homem com o touro. Neste monólogo, o espectador será levado, em função do palco-arena, que aproxima o ator do público, a um espaço e tempo que escapam da percepção comum de realidade, porque o foco é o mundo psicológico das reflexões e sentimentos, além disso, também o figurino leva o espectador a um ambiente indeterminado. A tradução para a língua portuguesa mantém a musicalidade e a dimensão metafórica dos versos originais.

Sobre o Grupo Sombrero de Teatro
Formado por atores da Oficina de Atores Nilton Travesso, sob a direção de Sérgio Milagre, o grupo montou Bodas de Sangue, de García Lorca. O monólogo Lamento por Ignacio Sánchez Mejías é a segunda montagem do Grupo.

Sobre o ator
Zaqueu Machado é formado em Interpretação Dramática pela Oficina de Atores Nilton Travesso. Atuou no Grupo TEIA, em duas montagens: Canto a Vida e à Vida, em 1999, e Irmãos das Almas, em 2000. Como dramaturgo, escreveu O drama de um apaixonado (drama juvenil), As brasileiras (comédia) e A caixa mágica (teatro infantil). Também foi professor e diretor de teatro amador estudantil durante três anos. Como poeta, publicou, em 2003, Tempo Dissoluto, pela Editora Zouk. Professor Mestre em Língua e Literatura Espanhola e Hispano-americana, Zaqueu Machado também atuou nas peças Bodas de sangue, de Federico García Lorca, Boca de Ouro, de Nélson Rodrigues e De Asfalto e Calçadas ou A Lenda do Menino Romeno, de Marcelo Soler.

Serviço:
Grupo Sombrero de Teatro apresenta o espetáculo Lamento por Ignacio Sánchez Mejías
Tradução, adaptação e dramaturgia: Zaqueu Machado
Direção: Sérgio Milagre
Atuação: Zaqueu Machado
Duração: 50 minutos
Datas: Quintas-feiras às 21h00 – Curta temporada
Local: Teatro Studio 184
Endereço: Praça Roosevelt, 184 - Consolação
Preço: R$ 15,00
Ingressos: Compra antecipada às quintas-feiras a partir das 17h no local
Informações: (11) 3259-6940 / E-mail: zaqueumbjr@yahoo.com.br

Informações para a imprensa:

Tierno Press Assessoria
Contatos: Luciana Tierno
Sandra Leny
Tel.: 11 2193-1918 / 9385-4439
E-mail: imprensa@tiernopress.com.br
Site: www.tiernopress.com.br

terça-feira, 12 de junho de 2007

E depois?

Segundo uma Lei da Física, toda ação corresponde a uma reação. E, para mim, o mais importante nas relações humanas não são as ações, mas as reações.

Briguei com alguém? Posso consertar o estrago depois que os ânimos esfriarem. Pisei na bola? Nada mais nobre que admitir o erro e ser honesto. Tenho o direito de falhar, mas posso - e devo - pedir desculpas no dia seguinte.

Isso vale também para as boas atitudes. Recebeu flores? Retribua o cartão.

O desenrolar das situações é que demonstra o caráter das pessoas e o que verdadeiramente representamos para elas.

Mas às vezes o day-after demora dias...


[a primeira impressão, realmente, não é a que fica...]