segunda-feira, 9 de julho de 2007

Metamorfose

Chega um momento da vida em que os filhos deixam de ser filhos e se tornam pessoas.
A maioria dos pais não percebem isso - ou percebem e não aceitam. Não sou mãe, mas imagino que seja muito difícil cortar o cordão umbilical. A cultura ocidental tem entre suas características o apego às coisas e às pessoas. Deveríamos lutar contra isso, afinal, parafraseando - e adaptando - um pensamento de Nietzsche, "nada nos pertence além dos nossos sonhos".
E os filhos têm sonhos próprios. É um erro querer que eles supram as carências e frustrações dos pais. Não dá para delegar essa responsabilidade a quem quer que seja.
E se seu filho não é como você gostaria que ele fosse, apenas respeite-o. Não espere dele mais do que ele pode te oferecer.
Não se anule em nome deles, mas, se o fizer, não os responsabilize.
Parece difícil? Sim, mudar alguns conceitos é difícil. Mudar as atitudes, então, a priori parece impossível. A base de tudo é o respeito. Respeito pelo ser individual que somos, independentemente de estarmos na condição de pais ou de filhos. Ou nas duas.